quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Num Campo de Papoilas


Nem sempre

Nem sempre a noite é clara 
deixando perceptível 
o encarnado vivo das papoilas.
nem sempre 
a voz dos pássaros entoa cânticos
onde o silêncio ainda se consome
e a luz lunar prateia os campos, 
e das estrelas saem purpurinas azuis ,
e a espuma das ondas salga a areia fina 
onde deixamos marcados os nossos pés.
e os nossos corpos.

Nem sempre

Nem sempre da janela do meu quarto, 
consigo ver a velha árvore 
a suplicar-me que se faça mutismo, 
a implorar-me o amainar dos ventos
para que, entre as minhas margens 
se contenham as águas. 
Sim as águas. 
onde vagueiam hastes perdidas, 
onde derretem fogos 
ainda por extinguir, no rescaldo dos anos.

Mas hoje,

somente hoje, 
e, desculpem-me a ousadia: 

Faça-se silêncio! 

O ruído é-me nefasto ao gesto, 
e os dedos contorcem-se
enquanto o pensamento vagueia 
entre as sete colinas desse campo 
coberto de vermelho vivo, 
tal e qual um manto de papoilas,
a afirmarem-se vida, 
e a vidraça que nos separa.

Porque hoje,

somente hoje, 
da janela do meu quarto, 
quero ignorar a ponte secular
que desaba em ruínas, 
quero enfeitar a velha árvore 
com estilhaços luminosos 
de bolas de sabão, 
quero agigantar-me e,
extrapolar-me para além do corpo, 
ou da pele,
ignorar as margens,
e quem sabe, 
tornar-me ilha, 
no cimo de uma montanha.

Somente hoje, 
deixem-me pintar de azul -as papoilas-
e apagar tudo o mais, que for dissoluto. 

Quer ao gesto. Quer ao pensamento. 


(eu)

Imagem-Alexander Dolgikh

23 comentários:

  1. Embalado na beleza dos versos
    perdi-me
    no sentido da metáfora
    Contudo, aos poetas nada se nega
    Mas faz-me a promessa

    amanhã, restitui-me o meu campo vermelho

    ResponderEliminar
  2. Querida Cristina,
    Belissima poesia!
    Graças a Deus, a poesia nos permite mudar as cores, as formas, enfim a realidade!
    Pintamos nossos sonhos no imaginário das palavras!
    Seja muito feliz!
    Beijos!

    ResponderEliminar
  3. que hoje!
    somente hoje!
    o azul inunde o campo das papoilas
    e que hoje, somente hoje!
    o meu olhar seja somente o que eu quiser.

    amanhã eu terei o azul
    e as papoilas voltarão a ser encarnadas
    e frágeis como papel.

    :)

    ResponderEliminar
  4. Linda imagem, maravilhosos versos! Somente hoje, deixo-te fazer o que bem quer. A velha árvore é sábia para entender e receber-te!

    Beijos e ótimo fim de semana! :)

    ResponderEliminar
  5. Peço desculpa a quem leu e comentou. O poema não estava completo, por erro de publicação no blogue.
    Agora sim, já está corrigido.
    Grata a todos pela leitura e pela presença.

    Um abraço da

    Cristina

    ResponderEliminar
  6. Um poema em que te agigantas e te afirmas vida e luz
    ignoras as margens e brilhas
    para além do gesto
    no vermelho vivo da montanha.

    Um poema belíssimo, Cristina. Parabéns muitos :)

    Um beijinho e um 2014 muito feliz :)

    ResponderEliminar
  7. Por hoje faça-se silêncio...porque nem sempre conseguimos ouvir o cântico dos pássaros. E numa ilha no cimo da montanha, teremos ao nosso alcance o azul onde as papoilas crescerão...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Mais um excelente poema.
    Onde até as papoilas mudam de cor...
    Gostei imenso, como sempre.
    Cristina, tenha uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. A tua voz poética a criar um mundo novo - só hoje!
    Por mim, fiz-me silêncio e voei contigo.
    Maravilhoso, amiga!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  10. Na ousadia do hoje se projecta o amanhã.
    Muito belo, Cristina!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  11. Olá, querida Cristina!

    Por vezes, acontece, mas "Nem sempre", graças a Deus, porque a sua poesia precisa de se espraiar, de se mostrar e de gritar bem alto (ai, hoje, pede silêncio), para que as mentes acordem, ou adormeçam ao sabor desta "VIDA ENTRE MARGENS", que pode ou não ser só poética. Eu creio que são abrangentes, as margens, e que entre elas há um rio de palavras que as eleva, que lhes dá vida, ao sabor da corrente.

    Todo o seu poema está cheio de cor, natureza, súplicas, indefinições, mas os poetas/poetisas são assim.

    ADORO PAPOILAS, CAMPO DE PAPOILAS, OU NÃO FOSSE EU ALENTEJANA. COMO É BONITO VER UMA MULHER TRIGUEIRA "PERDIDA" NELES E NAS LINDAS FLORES!

    A poetisa Cristina Cebola, hoje, quer tanta coisa! Não consegue dominar as palavras, os estados de alma, não é isso? Ah, se tivéssemos o poder de pintar o mundo, tudo, incluindo as pessoas, de cor verdade, de esperança e de sinceridade!

    É ISSO QUE PRETENDE COM O SEU POEMA. QUEM SABE, UM DIA!

    Boa semana.

    Beijinhos da Luz.

    ResponderEliminar
  12. A janela, grita-lhe o silêncio do pensamento.
    O vidro não separa a vontade, o querer do momento.
    Uma poesia sofrida, mas clara, diria, alada.

    ResponderEliminar
  13. Nem sempre avida nos mostra o que queremos.

    Mas tem algumas vezes...e isso é muito bom.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Simplesmente um poema grandioso!!

    Um daqueles poemas que se inscreve num espaço único de beleza sublime,sensibilidade rara

    e inspiração magistralmente escrita por ti, Cristina.

    Ficou em mim assim:

    silencie os barulhos (interno e externo) e contemple a

    beleza da vida (natureza) em movimento colorido,melódico e harmônico...

    A imagem belíssima.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  15. Vengo del blog de nuestra Amiga en común Jossara Bes (Del Blog:contos-poemas) y me ha encantado tu Mágico Espacio; por lo cual, si no te importa, me apunto como seguidor de Tu Rincón, pleno de sensibilidad y Poesía.
    Veo que eres de Portugal y por casualidad mi última Poesía esta dedicada a este Hermano País que tanto estimo y relación tengo con él.
    Te invito a pasar por mi blog:"poesiayvivencias".
    Abraços.

    ResponderEliminar
  16. Olá Cristina!
    Um poema lindíssimo.
    Hoje, mas só por hoje poderão as papoilas mudar de cor. Depois voltarão a ser vermelhas como sempre...:-)
    E que continues a escrever desta forma maravilhosa. Gostei muito.
    xx

    ResponderEliminar
  17. Minha querida

    Por vezes desejamos mesmo mudar a cor ao tempo...o perfume às flores. Por vezes desejamos apenas estar.
    Lindo como sempre poetisa.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  18. Olá, querida Cristina!
    ´
    Como tem passado?

    Passo tarde e a más horas, mas o tempo não é elástico. Estive a fazer alguns agradecimentos, e respondendo a e-mails, e quando dei por mim, já passava das 23h.

    Desejo-lhe uma boa semana, e que este frio abrande. Estou, também, a trabalhar no meu poema, que, talvez, publique neste fim de semana.

    Beijinhos da Luz.

    ResponderEliminar
  19. Somente hoje eu entro em silencio, calçando pantufas para não acordar deste lindo transe poético.
    Somente hoje eu fico calado ouvindo seu canto.
    Bravo Cristina, muito lindo e encorajador.
    Linda semana para voce ai sobre esta estrela que lhe ilumina e inspira.
    Carinhoso abraço amiga.

    ResponderEliminar
  20. Genial, um dos seus melhores poemas.
    Parabéns por tanta criatividade junta...
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  21. Não tenho conseguido comentar. Mas é sempre com muita emoção que termino a leitura dos seus poemas. Bjnhos

    ResponderEliminar