quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Assim eu fosse


Assim eu fosse:

A sombra que desliza 
no reflexo da tua memória 
como filha ilegítima 
consagrada ao verbo inacabado.
Sílabas que desapareceram
por não merecerem viver.

A póstuma voz 
que quebra os silêncios...
o odor dos inocentes,
o espólio dos pecadores
a ser anunciado 
em breves felicidades...

Nada em mim se compadece 
desses rendilhados de veias amotinadas 
no coração das aves...

Sou crente na imortalidade da alma
e no rio que me propicia o gesto.

Assim eu fosse:

Todo este mar que me galga
ou simplesmente nada...



(eu)

Fotografia- Jaroslav Monchak

12 comentários:

  1. Parece-me um poema triste, Cristina, mas com a erudição e o talento de sempre. Creia, porque vale a pena. Um dia tudo será como dantes.

    Beijos e resto de boa semana.

    ResponderEliminar
  2. Aqui se espera do leitor disponibilidade para apreender a dinâmica da construção do poema e dele se espera também o olhar penetrante para encontrar os significados subjacentes nesta realidade viva, que é este belo poema. Este despojamento que caracteriza o seu discurso poético é o que nos faz penetrar no âmago da sua criação. "Este mar que nos galga", igualmente.
    Um abraço, Cristina!

    ResponderEliminar
  3. O que é belo, não tem comentário.Demora-se a saborear a arte, a sensibilidade! Lindo poema!
    Beijinho, Cristina! **

    ResponderEliminar
  4. Poesia aqui.
    de grande nível.

    gostei muito do poema

    beijo

    ResponderEliminar
  5. Penetras sombras,angústias e projetas-te num magnífico reflexo poético.
    Já estava com saudades.

    Beijinhos, Cristina.

    ResponderEliminar
  6. Excelente marulhar Poema intocável
    para reler sempre em voz alta
    Bj

    ResponderEliminar
  7. sensibilidade e talento,
    aqui
    num grande poema

    beijo

    :)

    ResponderEliminar
  8. Um poema cheio de sensibilidade e muito profundo.
    "Nada em mim se compadece desses rendilhados de veias amotinadas no coração das aves..." Belíssimo!
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  9. Tu és um rio de palavras que cabem na infinitude de uma beleza
    poética deslumbrante!...
    A poesia em ti mora de forma especial e voa para nós, teus leitores,
    dentro de um espaço do encantamento.
    Adorei, Cristina!!
    Boa semana, Poeta.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Um poema soberbo.
    Para quê mais palavras...?
    Continuação de uma óptima semana, amiga Cristina.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Bom dia, lindo poema repleto de sensibilidade que faz arrepiar, o pensamento é profundo, suas palavras quebra os silêncios.
    AG

    ResponderEliminar
  12. Triste e sensível, por isso achei lindo!
    Como a tristeza se faz linda nas mãos dos poetas...
    Beijo, meu carinho, Cristina.

    ResponderEliminar